CANABIDIOL E ALZHEIMER

Você deve ter notado que o canabidiol (CBD) parece estar disponível em quase todos os lugares e comercializado entre produtos como medicamentos, alimentos, suplementos alimentares e até  cosméticos. Virou a bola da vez e logicamente somos bombardeados com várias notícias sobre seu possível uso em várias doenças e situações. Nos preocupa muito como médicos  o fato de as pessoas acreditarem erroneamente que tentar o CBD “não pode prejudicar”. Órgãos competentes para avaliar o uso correto (FDA) e criteriosas pesquisas científicas precisam ser feitas para que possamos ter a segurança de prescrever o CBD. Em se tratando de doenças neurológicas, seu uso apenas está permitido com segurança para alguns tipos de epilepsia.Para os demais usos, temos apenas dados limitados. Portanto, é importante ficar bem claro que para a Doença de Alzheimer, que é nosso foco em questão aqui, ainda NÃO há evidências de que o seu uso possa ser efetivo e seguro em algumas alterações comportamentais da demência e na cura, como  já vimos por aí nas famosas “Fake News” da medicina. O uso de qualquer produto de CBD pelo consumidor deve sempre ser discutido e prescrito por um médico. Os consumidores devem estar cientes dos riscos potenciais associados ao uso de produtos CBD sem a correta prescrição médica e principalmente, sem ser para as situações específicas em que seu uso já foi aprovado.

Participe do Grupo: vivabemuol.abraz.org.br

Dra. Ana Luisa Rosas

Neurologista CRM SP 97199

Diretora Científica da ABRAz – Regional São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *