História de Vida de Geralda

Meu nome é Geralda, tenho 81 anos. Sempre me dediquei ao meu marido e as minhas filhas. Não tive oportunidade de estudar, morava na “roça”, e assim só fiz até a terceira série, mas isso não me impediu de cuidar da minha família com muito amor e carinho.

Fiquei viúva aos 56 anos, e tive que aprender a viver sem meu companheiro.

Durante minha vida adulta sempre morei em São Paulo, mas quando fiquei viúva, uma das minha filhas que morava numa pequena cidade do interior, me convidou a morar com ela, acreditando que seria mais fácil me relacionar com as pessoas e me acostumar com essa nova fase da minha vida.

E assim, começou uma nova etapa na minha vida. Entrei para o grupo da terceira idade, conhecendo um lado da vida que nunca imaginei: viagens com amigos, bingos caseiros, vôlei adaptado… e assim passei a ser uma pessoa muito mais ativa. Muitos anos se passaram, e minha saúde permanecia boa, apesar de alguns probleminhas normais da idade, mas nada grave. Minhas filhas tinham um pouco de preocupação com alguns esquecimentos que eu apresentava, até porque eu tive um irmão que faleceu com Alzheimer, mas o diagnóstico era de depressão e déficit de atenção.

Há 9 anos precisei fazer cirurgia de catarata, e quatro dias após a cirurgia, eu não lembrava quem tinha ido comigo para o hospital. E assim, decidimos que era o momento de enfrentar o problema, e mudamos o diagnóstico para Alzheimer, e iniciamos o tratamento.

Um ano antes, eu tinha encontrado um novo companheiro, tinha me casado e não estava mais morando com minha filha, e apesar do diagnóstico, nada mudou em minha vida.

Durante todos esses anos, minha memória vem decaindo aos poucos, mas tento me manter ativa, frequento o Grupo da Terceira Idade, continuo a jogar vôlei, faço alongamento e caminhadas, e viajo com meu companheiro e minha família. Tenho uma terapeuta ocupacional, que me ajuda com a alimentação e exercícios para a memória. Sou uma pessoa independente, não preciso de ajuda para alimentação, banho ou cuidados básicos. Tenho uma pessoa que me ajuda em casa; além da minha família que me apoia naquilo que preciso, pois atualmente minha memória recente está perdida. Sou uma pessoa positiva, feliz e agradecida por tudo àquilo que Deus tem me proporcionado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *